Entre lagos e geleiras: conheça as belezas naturais de Yukon, no Canadá

Por Arthur Seixas

4 out, 2017

 

Yukon Canadá
Do estado líquido para o sólido: fluxo de água congelado nas altitudes da geleira | Arthur Seixas

Céu azul e dia ensolarado aguardavam o avião que pousava no meio da tarde no aeroporto de Whitehorse, no norte do Canadá. Os termômetros marcavam 20 graus Celsius positivos neste último dia de julho. Verão no hemisfério norte. No entanto, a temperatura ainda assim era surpreendente para um brasileiro que viajava à uma cidade localizada próxima a linha do círculo polar ártico.

Nos primeiros minutos após a chegada, o zíper do casaco já descia para dar lugar à uma camiseta de meia manga. O calor inesperado – e mais do que bem-vindo, diga-se de passagem – não seria perpétuo. Não se engane, mesmo no período quente, a neve é a protagonista dessa história.

Numa latitude elevada, Whitehorse, a pacata capital do Território de Yukon, desfruta somente de três meses de atmosfera cálida, ou seja, aquele frio de cortar os ossos impera na maior parte do ano. Nos dias que podem bater 40 graus Celsius negativos, os lagos congelados viram passarelas recreativas para crianças puxadas por cachorros em cima de trenós. Já as noites escuras, que chegam a durar cerca de 20 horas, dão espaço à principal atração turística: a aurora boreal.

Yukon Canadá
No pedalo: temperaturas agradáveis convidam à pratica de esportes na beira do rio, em Whitehorse | Arthur Seixas

 

Para o alto e avante

Se a estação mais quente não é a ideal para ver as luzes dançarem no céu, é propícia para um passeio surpreendente sobre as montanhas de neve eterna. Sim, o gelo continua a ser a principal atração. Em geral, o clima ameno reserva também dias limpos, perfeitos para apreciar de cima as geleiras do Parque Nacional Kluane, o maior do Canadá.

O aviãozinho, equipado com skis junto às rodas, possibilita o pouso a quase 4 mil metros de altura. A poucos quilômetros de distância, dá para contemplar o Monte Logan – o mais alto pico do país, com praticamente 6 mil metros -, que descansa ali imponente. Uma visão de cair o queixo!

De volta ao nível do mar, o ar continua a inspirar intrépidas aventuras. Dessa vez, a bordo de um hidroavião. Não é raro ver essas curiosas máquinas aéreas flutuantes estacionadas nas margens do rio Yukon, que descongelado, possibilita o pouso macio na superfície líquida. O sobrevoo pelos arredores de Whitehorse revela infinitas florestas de coníferas, belas curvas de leitos de água doce, além de lagos dos mais variados verdes e azuis em tons de degradê.

Yukon Canadá
Monte Logan: o maior pico do Canadá, com seis mil metros de altura | Arthur Seixas
Yukon Canadá
O azul intenso do rio Yukon visto de cima, do hidroavião | Arthur Seixas

 

Passeio das águas

Os lagos são o grande entretenimento do verão, pois a canoagem e o stand-up paddle são atividades muito apreciadas pelos moradores da região. Numa volta rápida de carro em direção ao sul da cidade, diversos lagos, como o Emerald, Bennett e Tagish Lake, te convidam para a prática de esportes junto à paisagens de tirar o fôlego que se refletem no espelho d’água.

Reme, mas não se canse, pois as noites curtas reservam ainda algumas horas de contemplação ao sol que se põe perto da meia-noite. Mesmo nas altas horas da madrugada, ele continua a marcar presença logo abaixo da linha do horizonte, deixando um pedaço do céu sempre parcialmente iluminado pelos raios de um dia que não quer morrer.

Yukon Canadá
A cor esmeralda das partes rasas da água do Emerald Lake | Arthur Seixas
Yukon Canadá
Tagish Lake: a superfície lisa que mais parece um espelho | Arthur Seixas
Yukon Canadá
Piloto e máquina: equipado com skis, o avião pousa sobre a neve a quatro mil metros de altitude | Arthur Seixas
Yukon Canadá
Montanhas de neve eterna: gelo mesmo no verão | Arthur Seixas
Yukon Canadá
Paisagens quase surrealistas no sobrevoo pelas montanhas do Parque Nacional Kluane | Arthur Seixas
Yukon Canadá
Preto e branco se intercalam na paisagem de gelo e montanha | Arthur Seixas
Yukon Canadá
Parece mas não é: fluxo branco entre montanhas se assemelha rio congelado | Arthur Seixas
Yukon Canadá
Os relevos e texturas da neve sobre as montanhas | Arthur Seixas

 

Veja mais roteiros em Yukon »

 

Arthur Seixas é fotógrafo e jornalista especializado em viagens, turismo, paisagens e vida selvagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *